Saltar para os conteúdos

LIGAÇÕES ÚTEIS     MAPA DO SITE     facebook

Pedro Valadas Monteiro DRAPALG HR 6 Custom 1024x682

Uma das ideias que mais mais se ouve nas conversas de café – e de Facebook – é que a União Europeia matou a agricultura portuguesa. Mas será que isso é verdade? Não terá antes havido uma reinvenção da agricultura?
 
(...)

Pedro Valadas Monteiro, diretor regional de Agricultura e Pescas do Algarve, considera mesmo que, nos dias que correm,  a agricultura «é reconhecida como um setor sexy para trabalhar e para investir», muito graças ao uso de «tecnologia de ponta».

Este conhecimento é aplicado, por exemplo, ao nível da rega, mas também da fertilização, na colheita e na pós colheita, seja em culturas como os citrinos ou o abacate, seja nas estufas.

«No caso dos frutos vermelhos, o controlo é feito ao pé da plantinha. Aquela planta está a ser monitorizada em permanência 24 sobre 24 horas. Num abacateiro, é tudo controlado: a quantidade de água que é aplicada, a que horas é aplicada, é descontada a precipitação que cai, é descontado o teor de humidade que já existe no solo, é feito o cálculo em função do vento», descreveu Valadas Monteiro em entrevista ao Sul Informação, salientando que «quem fala em abacate, fala em citrinos».

«Tudo isto é controlado automaticamente por computadores. Nas linhas, nós temos sistema gota-a-gota, em que os aplicadores de água, à medida que a planta vai crescendo, vão sendo destapados, consoante as necessidades. É colocada a tela por causa das infestantes, para reduzir a aplicação de herbicidas, as folhas são analisadas para ver o teor de nutrientes que existe naquela folha e a adubação é calculada em função naquilo que já existe ou no solo ou na água ou na folha, e só se aplica aquilo que efetivamente faz falta, e depois tudo o resto», acrescentou.

(...)

 

Cofinanciamento:

PDR PT2020 FEADER

FEAMP CONTINENTE COR

 

logotipo republica

logotipo rederural